Suspeitos usam documentos falsos para alugar imóveis; polícia investiga

Suspeitos usam documentos falsos para alugar imóveis; polícia investiga

Parte dos moradores de Piracicaba (SP) foi vítima de um golpe no setor imobiliário da cidade.  Estelionatários passaram a falsificar documentos para alugar imóveis no município. Depois que os golpistas conseguem o contrato com as imobiliárias, eles alugam as casas para outras pessoas que não sabem do esquema e ficam com o dinheiro do pagamento. De acordo com imobiliárias, no último mês, 10 pessoas já foram vítimas da fraude.

Os moradores só ficaram sabendo que tiveram os documentos falsificados depois que os nomes foram para o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Após receber denúncias, a Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi) realizou consultas imobiliárias e verificou que os estelionatários usam documentos de identidade adulterados, além de autenticações, documentos bancários e também holerites das vítimas. A polícia começou a investigar alguns casos.

Segundo o advogado Diego Goulart, cinco clientes tiveram os nomes usados pelos suspeitos para alugar imóveis. As pessoas só tomaram conhecimento quando tiveram o CPF negativado pelo SPC ou receberam notificação da ação judicial de despejo. “A gente não consegue identificar como esses fraudadores obtém as cópias desse documento ou, ás vezes, as vias originais extraviadas”, afirmou.

Um dos estelionatários utilizou documentos falsos do fiador para registrar o contrato de locação na imobiliária Frias Neto. De acordo com o diretor imobiliário, Ângelo Frias Neto, o suspeito reconheceu firma do fiador em um cartório em São Paulo.

A fraude só foi descoberta depois que o pagamento do aluguel começou a atrasar. “Quando comunicamos a pessoa da inadimplência, ela afirmou que não tinha sido o fiador. Verificamos o documento e notamos que a foto da identidade havia sido trocada”, disse.

Precaução
Segundo o vice-presidente da Acipi, Luiz Carlos Fortuoso, as imobiliárias precisam redobrar o cuidado ao fechar os contratos. Ele orienta que o endereço e o telefone do fiador sejam consultados para confrontar com o apresentado no cadastro de locação.

O estabelecimento também precisa reconhecer as firmas do locador e fiador pessoalmente no cartório informado pelas partes. As empresas ainda devem fazer uma consultar de alertas de documentos roubados e extraviados

A Acipi pede que, em caso de golpe, a imobiliária envie uma cópia do boletim de ocorrência para a entidade reunir aos documentos já existentes e encaminhar aos órgãos responsáveis para cobrar rapidez nas investigações.

Compartilhe